Segundo os dados do Banco de Portugal, que hoje actualizou as estatísticas sobre empréstimos concedidos pelos bancos portugueses às sociedades não financeiras e às famílias, em Junho voltou a consolidar-se a trajectória de estagnação do crédito a empresas não financeiras, dentro destas mantêm-se a curva de queda de crédito às empresas exportadoras. Acompanhamento o abrandamento do crescimento deste indicador.

Nas empréstimos às famílias, Junho consolida a trajectória, tendo havido em Junho um aumento ligeiro que é mais expressivo no crédito ao consumo e outros fins do que no crédito à habitação.

A informação estatística mensal sobre o crédito concedido pelos bancos, descreve que "em Junho de 2016, a taxa de variação anual dos empréstimos concedidos às sociedades não financeiras manteve-se em -2,5%. Isto é, manteve o ritmo da queda.

Os empréstimos às empresas privadas exportadoras registaram uma taxa de variação anual de -1,0%, traduzindo-se numa redução de 0,2 pontos percentuais (p.p.) em relação ao mês anterior. Ou seja, e crédito às empresas exportadoras em Junho caiu mais do que em Maio.

Em termos de qualidade da carteira de crédito, no final do primeiro semestre de 2016, o rácio de crédito vencido das sociedades não financeiras era de 16,5% enquanto em percentagem do número de empresas devedoras verificou-se que 29,1% dessas apresentavam crédito vencido.

As empresas exportadoras são melhores pagadoras dos seus créditos bancários, mas em Junho o rácio de crédito vencido piorou. As empresas privadas exportadoras registaram um rácio de crédito vencido de 6,6% (+0,1 p.p. face a Maio) e uma percentagem de devedores com crédito vencido de 9,7% (igual à do mês anterior).

No que se refere às famílias, Junho manteve a rota anual de quebra do crédito. A taxa de variação anual dos empréstimos concedidos às famílias fixou-se em -1,8%. No entanto esta queda é menos expressiva do que tinha sido em Maio, tendo aumentado 0,1 p.p. em relação ao mês anterior.

Por finalidade, a variação anual do crédito à habitação situou-se em -2,7% (continua em queda) mas essa queda foi menos expressiva em Maio, tendo aumentado o crédito às habitação 0,1 p.p face ao mês de Maio. O crédito ao consumo e outros fins em Junho o aumento face ao ano anterior 2,4%, e face a Maio esse aumento foi de 0,5 p.p.

Para o total dos empréstimos e para a finalidade habitação, o rácio de crédito vencido não se alterou relativamente ao mês de Maio, situando-se em 5,2% e 3,1%, respectivamente. Já no crédito ao consumo e outros fins o rácio de crédito vencido apresentou uma redução de 0,3 p.p. para 14,3%.

Em número de devedores, a percentagem do sector das famílias com crédito vencido foi de 14,2% uma melhoria  face a Maio (-0,4 p.p.). Por finalidade, este indicador fixou-se em 6,4% no crédito à habitação (-0,3 p.p.) e em 15,7% no crédito ao consumo e outros fins (-0,4 p.p.), revela o Banco de Portugal.

 

Fonte: Económico